Google+

Será que as tatuagens eletrônicas substituirão senhas de Internet e outras formas de identificação? - [+]

 

Logo, poderemos interagir com os nossos smartphones e computadores simplesmente usando nossas mentes. Em poucos anos, poderemos ligar as luzes em casa apenas pensando nisso, ou enviando um e-mail de nosso smartphone, mesmo sem tirar o dispositivo do nosso bolso. Em um futuro distante, o seu assistente robô aparecerá ao seu lado com um copo de limonada, simplesmente porque ele sabe que você está com sede.

Pesquisadores do Emerging Technology Lab da Samsung estão testando tablets que podem ser controlados pelo cérebro, usando um boné que se assemelha a um capacete de esqui cravejado com eletrodos de monitoramento, segundo informou o MIT Technology Review, a revista de ciência e tecnologia do Instituto de Massachusetts.

A tecnologia, chamada de uma interface cérebro/computador, foi concebida para permitir que as pessoas com paralisia e outras deficiências possam interagir com computadores ou controlar braços robóticos,  simplesmente pensando em tais ações. Em pouco tempo, essas tecnologias poderão muito bem estar em eletrônicos de consumo de massa.

Então, o que se podemos deduzir duas tendências mostradas a acima?

E se uma tatuagem eletrônica pudesse permitir que você opere seu computador tablet, envie um e-mail, voar um drone ou até mesmo "falar" telepaticamente usando apenas sua mente?

Na verdade, os pesquisadores já estão trabalhando em tais tecnologias. Veremos seguir um recente artigo escrito por Charles Q. Choi...

Mas implantes cerebrais são tecnologias invasivas, e provavelmente só deveriam ser usados em pessoas com necessidades médicas especiais. Em vez disso, o engenheiro elétrico Todd Coleman, da Universidade da Califórnia em San Diego trabalha na elaboração de meios não invasivos de máquinas controladas através da mente, uma tecnologia que praticamente todo mundo poderia ser capaz de usar.

Sua equipe está desenvolvendo uma forma de adesivo flexível sem fio pode-se aplicar na testa, assim como tatuagens temporárias para ler a atividade cerebral.

"Queremos algo que possamos usar no bar para nos divertir", diz Coleman.

Os dispositivos tem menos de 100 mícrons de espessura, o diâmetro médio de um fio cabelo. Ele consiste de um circuito integrado com uma camada de poliéster ou de borracha que lhes permitem esticar, curvar e se adaptar as rugas da pele. Eles são pouco visíveis quando colocado sobre a pele, tornando-os imperceptíveis para os outros.

Os dispositivos podem detectar sinais elétricos ligados com as ondas cerebrais, e incorporar células solares para energia e antenas que lhes permitem se comunicar sem fios ou receber energia. Outros elementos podem ser adicionados, tais como, sensores térmicos para monitorar a temperatura da pele e detectores de luz para analisar os níveis de oxigênio no sangue.

Gostou desse artigo? Compartilhe!

Topo