Google+

Não tem um visto para trabalhar?

Sem problema, eu tenho um pouco de espaço  para alugar no meu escritório, bem no meio do oceano...

Enquanto o debate sobre a imigração nos países ricos é focado principalmente em trabalhadores pouco qualificados, o mundo da tecnologia está concentrado nos cientistas, engenheiros e profissionais de outros países que querem iniciar um negócio nos EUA.

Sem a necessidade de nenhum visto para isso. Para tanto, dois empresários do Vale do Silício tiveram uma idéia inusitada. Por que não se estabelecer apenas offshore? Isso mesmo offshore. Imagine, um parque de escritórios flutuante no meio do Oceano Pacífico.

Max Marty é o CEO e co-fundador da Blueseed, e um dos empreendedores em questão. Como um monte de startups de tecnologia, é uma incubadora de negociação de ações, uma empresa que intermedia o acesso a investidores. Instalada em um grande navio de cruzeiro desativado, a 12 milhas náuticas da costa da Califórnia.

Essas são águas internacionais distante apenas alguns minutos de helicóptero ou lancha do Vale do Silício.

"Estamos permitindo que pessoas de todo o mundo possam se conectar ao Vale do Silício", diz Marty. "As pessoas vivem e trabalham lá fora durante a faze de implantação de suas startups, por cerca de seis a nove meses. Quando eles chegam ao momento certo e as empresas ganham um pouco mais de força, migram para o Vale do Silício."


 

O que a Blueseed ganha bancando o cruzeiro? Uma participação de 6% nas empresas que estão a bordo, e a capacidade de influenciar a forma como muitos empresários estrangeiros tem acesso ao mercado americano.

"O valor real para nós, é realmente, o valor real para o mundo, e o valor que as empresas vão produzir quando elas crescem, quando elas produzirem novas tecnologias, e criam postos de trabalho", diz Marty.

Apesar da grande proximidade de águas dos EUA, Blueseed teve uma recepção amistosa do governo dos EUA, até agora. O lançamento real ainda está no futuro, mas os investidores se comprometeram com mais de $9 milhões até agora, com mais uma rodada de financiamento para acontecer ainda este ano. Se todo o dinheiro vier, seu navio zarpará no segundo trimestre fiscal de 2014.

Veja mais imagens do projeto:

 

 

 

 

 

 

Gostou desse artigo? Compartilhe!

Topo